A diretoria do Sindipetro-NF realizará uma nova transmissão ao vivo no dia 23 de novembro, às 19h30, para debater os próximos passos da Campanha Reivindicatória dos petroleiros (as) do Sistema Petrobrás, falar sobre as assembleias e esclarecer os indicativos. 

A transmissão será realizada em nossa página no facebook, clique aqui.

A direção colegiada do Sindipetro-NF está reunida durante todo o dia de hoje,22, para tratar as pautas e encaminhamentos do último CD da FUP. Por esse motivo não haverá diretores e diretoras nas bases de terra e aeroportos, como acontece diariamente.

O Calendário de Assembleias nas bases do Sindipetro-NF também será definido nessa reunião.

Rede Brasil Atual - Os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Roberto Requião (PMDB-PR) querem a anulação dos leilões de petróleo do pré-sal realizados pelo governo Temer, em finais de outubro, após revelações de que o ministro de Comércio do Reino Unido, Greg Hands, veio ao Brasil para fazer lobby em defesa dos interesses das petrolíferas britânicas BP, Shell (anglo-holandesa) e Premier Oil. 

Segundo informações reveladas pelo jornal inglês The Guardian, no último domingo (19), Hands esteve no país, em março, e se encontrou com o secretário-executivo do ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, – o nº 2 da pasta comandada por Fernando Coelho Filho – para tratar do relaxamento da legislação ambiental, redução de impostos e o fim das exigências de conteúdo local na exploração do pré-sal. 

O jogo de pressão das autoridades britânicas consta em telegrama oficial obtido por uma organização ligada ao Greenpeace, através de mecanismos legais de acesso a informações públicas. Por uma falha administrativa, nomes de autoridades que deveriam ter o seu sigilo preservado foram revelados. 

O telegrama oficial aponta que empresas e autoridades britânicas pressionaram diretamente o governo brasileiro para obter a isenção de impostos e o fim da política de conteúdo local, e comemoraram "anúncios positivos" na obtenção de isenções de impostos e relaxamento da política de conteúdo local, e mostravam preocupação com critérios relativos ao licenciamento ambiental.

"É um escândalo. O fato é que o que eles pediram, eles conseguiram. Queriam o fim da política de conteúdo local – e na MP 795 está isso – e queriam diminuir a tributação. Isso foi armação. Foi um leilão de cartas marcadas, está claro", diz o senador Lindbergh, em vídeo divulgado pelas redes sociais.

Ele lembra ainda da participação de um representante da Shell na comissão especial que analisava a MP que garante renúncias fiscais de até R$ 1 trilhão às companhias de petróleo internacionais. Segundo o senador, o lobista "ditava" orientações favoráveis à empresa ao relator da MP, deputado Júlio Lopes (PP-RJ). 

Nos leilões ocorridos no mês passado, a Shell disputou, e levou, dois campos do pré-sal, se comprometendo a pagar à União 11,73% e 22,87% do petróleo extraído dos dois campos. Segundo o senador, áreas do pré-sal licitadas anteriormente chegaram a atingir até 80% da produção em pagamento. 

Para Lindbergh, a MP 795 representa o fim da política de conteúdo nacional, pois isenta de impostos as petrolíferas estrangeiras que importarem equipamentos e insumos utilizados na extração do petróleo do pré-sal, levando à destruição dos empregos nos estaleiros nacionais. 

Para a presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann, que classificou as revelações que escancararam o lobby dos ingleses como "crime de lesa-pátria" é preciso entrar com medidas judiciais para cancelar os leilões e suspender a tramitação da MP .

"Temos que cobrar a responsabilidade do governo e não aceitar esses leilões como lícitos. Temos que entrar com medidas judiciais para anular, porque isso é um crime de lesa-pátria. Estão tirando o que há de mais rico e precioso, que é o petróleo do pré-sal, além de fazer isso, isentando de tributação as empresas estrangeiras", afirmou a senadora. 

Para o senador Requião, os benefícios recebidos pelas petrolíferas estrangeiras demonstram que, atualmente, negociar com o governo brasileiro "é melhor negócio que vender cocaína". "Um negócio absolutamente incrível. Para eles, o melhor negócio de petróleo da história do mundo recente. Para nós, mais um desastre desse governo entreguista, que está eliminando as possibilidades de desenvolvimento e crescimento do país", afirmou o senador. 

Assim como vem propondo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e também a pré-candidata à presidência Manuela D'Ávila, o senador Requião defendeu a realização de um referendo revogatório sobre essas e outras medidas do governo Temer. "Que fiquem os ingleses, que fizeram esse negócio extraordinário, com uma certeza: num governo democrático, popular e nacionalista, serão tratados como receptadores de mercadoria roubada. Vamos anular todas essas barbaridades." 

A Federação Única dos Petroleiros (FUP-CUT) também defende apuração imediata das revelações trazidas pelo jornal britânico. Segundo o coordenador dos petroleiros, José Maria Rangel, essa é só mais uma etapa do plano de entrega do pré-sal aos estrangeiros, que começou com o PLS 131, do senador "entreguista" José Serra (PSDB-SP), e segue com a gestão de Pedro Parente à frente da Petrobras.

FUP aponta alternativas para o PED

Novembro 21, 2017 14:38

Na terceira reunião do Grupo de Trabalho da Petros, que discute saídas para o déficit do Plano Petros-1, realizada no dia 16, os representantes da FUP apresentaram alternativas para que os participantes sejam menos afetados pelo equacionamento. Também reafirmaram a importância da suspensão do PED até que sejam encerrados os trabalhos do GT. A Petrobrás deve apresentar as respostas solicitadas pela Federação na próxima reunião que irá acontecer no dia 21/11.

Se retirar direitos, é greve!

Novembro 16, 2017 13:46

 

Imprensa da FUP - Após dois dias de debates em Curitiba, o Conselho Deliberativo da FUP definiu um amplo calendário de lutas contra o desmonte do Acordo Coletivo, culminando com uma greve por tempo indeterminado, com data a ser definida pela Federação, caso a Petrobrás insista em retirar direitos da categoria.  A partir de segunda-feira, 20, os sindicatos iniciam as assembleias com grandes mobilizações em todas as bases da empresa, para que os trabalhadores respondam à altura aos ataques da gestão Pedro Parente.  

Os drásticos cortes que vem ocorrendo às custas do fechamento de 18 mil postos de trabalho promovido pelos PIDVs e da retirada de direitos fazem parte do mesmo pacote de privatizações e de desinvestimentos que beneficia o mercado e as empresas que concorrem diretamente com a Petrobrás. Enquanto os trabalhadores e a nação brasileira sofrem as consequências deste desmonte, os banqueiros se refestelam com os R$ 108 bilhões que receberam este ano de Parente em amortizações de parte da dívida e pagamento de juros, sendo que R$ 40 bilhões só no último trimestre.

A riqueza que geramos com o nosso trabalho já está sendo transferida a toque de caixa para o sistema financeiro, quando deveria gerar valor para a sociedade, através de uma política de desenvolvimento e industrialização. A gestão golpista que se apropriou da Petrobrás quer mais sacrifícios dos trabalhadores e agora mira no Acordo Coletivo, propondo retirada de direitos históricos para que gere mais caixa para os banqueiros e facilite a privatização das unidades. Só a mudança na remuneração das horas extras significará R$ 337 milhões a mais de “economia” para a empresa, às custas de redução de direitos.

A categoria já está vem sendo submetida a condições de trabalho cada vez mais precárias, exposta aos riscos diários de um acidente de grandes proporções, como já acontece em várias refinarias. Não podemos abrir brechas que coloquem em risco o Acordo Coletivo. Por isso, é fundamental que os petroleiros participem ativamente das assembleias e mobilizações que começam esta segunda e aprovem massivamente a greve por tempo indeterminado, caso a Petrobrás insista na retirada de direitos. Nossas conquistas vêm do nosso movimento. O ACT, portanto, terá o tamanho da nossa luta.

A conta do desmonte em 2017:

•    Entre janeiro e setembro, os bancos já receberam R$ 108 bilhões em pagamento de juros e amortização da dívida.

•    Os investimentos da Petrobrás encolheram R$ 33,4 bilhões (19% a menos que o mesmo período de 2016).

•    Os cortes de direitos propostos pela empresa reduzirão em pelo menos R$ 800 milhões a folha de pagamento, além dos cerca de R$ 4 bilhões que os gestores já economizaram desde 2015 cortando 'custos' com trabalhadores.

Indicativos às assembleias:

•    Em caso de qualquer redução de direitos, como descritos e consagrados pelo ACT 2015/2017, fica pré-aprovada a greve por tempo indeterminado, com data de início a ser definida pela FUP.

•    A conclusão do ACT deverá contemplar os trabalhadores da Petrobrás e de todas as subsidiárias, inclusive a Araucária Nitrogenados, com renovação e validade por dois anos, contemplando também o termo aditivo, com as salvaguardas à contrarreforma trabalhista.

O Petróleo em Risco é tema de uma transmissão ao vivo que acontece hoje, 21, a partir das 20h na página da CUT/Rio no facebook. O debate será feito pelo Coordenador da FUP, José Maria Rangel e um representante do Grupo de Estudos Estratégicos e Propostas para o Setor de Óleo e Gás (GEEP) da Federação. 

A Petrobras vem sofrendo uma série de ataques por parte do governo golpista de Mishell Temer, através da venda de ativos e dos leilões de petróleo, que  vem sendo denunciados massivamente pela categoria petroleira. A entrega do pré-sal para as multinacionais estrangeiras foram escancaradas esse final de semana pelo jornal inglês The Guardian, que mostra a negociata entre autoridades estrangeiras e brasileiras para a mudança de regras de exploração do petróleo do Brasil. 

Clique aqui para acessar.

Por Wellington Calasans, para O Cafezinho

Mesmo com a omissão da imprensa brasileira, José Maria afirma no vídeo que “não é novidade alguma” para a classe petroleira e lembra que o PLS131/2015 defendido por José Serra e a nomeação de Pedro Parente à Presidência da PETROBRAS já eram indícios do que agora é revelado.

A notícia que foi divulgada na tarde de ontem pela mais importante publicação britânica, The Guardian, escancara a negociata entre autoridades estrangeira e brasileira para a mudança de regras de exploração do petróleo do Brasil.

Este vídeo do coordenador da FUP deve ser entendido como uma orientação para toda a classe petroleira do país, pois é esta Federação que integra a maioria dos sindicatos da categoria.

Hoje cedo, aqui no blog O Cafezinho, o advogado Rubens Rodrigues Francisco afirmou que “tudo na entrega do pré-sal é irregular”, desde o lobby, proibido no Brasil, passando pela iniciativa de um senador (José Serra), quando a Lei diz que deveria ser o presidente, e culminando com a realização de um leilão que estava tecnicamente suspenso pela justiça.

O Senador Roberto Requião divulgou um vídeo na noite de ontem e prometeu ampliar a ofensiva contra a onda de desmonte do atual governo.

Neste vídeo, José Maria Rangel reforça a resistência contra este crime lesa-pátria denunciado, por outras razões, em uma publicação inglesa.
Assista e compartilhe.

https://www.facebook.com/OCafezinho/videos/1637693579587102/

O Sindipetro-NF entrou com uma denúncia no Ministério Público do Trabalho contra a Petrobrás por contaminação da praça de máquinas de P-33 com esgoto.

No dia 8 de novembro, o Departamento de Saúde do NF recebeu denúncia de que a praça de máquinas da P-33 estava sendo contaminada com esgoto sanitário. Também chegou a ser levantada hipótese de contaminação da água potável, mas segundo o SMS isso não chegou a acontecer.

Relatos dos trabalhadores dão conta que o problema inicial foi no esgoto da cozinha, que acabou sendo interligado ao do banheiro, que não suportou a pressão e chegou a invadir áreas próximas. Deixando um cheiro insuportável no ar.

O NF questionou o SMS da UO-BC que informou que o banheiro existente na praça de máquina teve uma obstrução e seu uso foi interrompido.

O problema chegou a ser debatido em reunião de CIPA, mas não entrou como pendência. O Sindipetro-NF orienta que os trabalhadores informem se a contaminação  foi solucionada, já que havia risco biológico envolvido.  O Departamento de Saúde está acompanhando o caso desde a sua ocorrência. 

A cesta básica no município de Macaé segue em queda no mês de outubro em relação a setembro, de -0,12%, passando a custar R$ 369,49, completando um semestre com registro de variações negativas do custo médio da cesta macaense.Comparada com outubro de 2016, o custo da cesta também apresentou quedano preço médio, com retração de 10,03%.

 

TABELA 1

Gasto, variações mensal e anual e tempo de trabalho necessário

Macaé-RJ – Outubrode 2017

Produtos

Quantidades

Gasto mensal (R$)

Variação (%)

Tempo de trabalho

Outubro 2017

Setembro 2017

Mensal

Em 12 meses

Outubro 2017

Setembro 2017

Carne

6 kg

108,24

109,86

-1,47

-7,20

25h25m

25h47m

Leite

7,5 l

26,93

27,30

-1,36

-13,27

6h19m

6h25m

Feijão

4,5 kg

23,13

23,72

-2,49

-34,94

5h26m

5h34m

Arroz

3 kg

10,32

11,19

-7,77

-16,91

2h25m

2h38m

Farinha

1,5 kg

4,22

4,26

-0,94

-9,83

0h59m

1h00m

Batata

6 kg

14,04

11,58

21,24

-28,44

3h18m

2h43m

Tomate

9 kg

33,21

32,31

2,79

-16,89

7h48m

7h35m

Pão

6 kg

56,82

56,52

0,53

4,41

13h20m

13h16m

Café

600 g

14,26

14,32

-0,42

13,81

3h21m

3h22m

Banana

7,5 dz

32,25

32,63

-1,16

-16,02

7h34m

7h40m

Açúcar

3 kg

9,45

9,57

-1,25

-15,09

2h13m

2h15m

Óleo

900 ml

4,04

4,09

-1,22

0,75

0h57m

0h58m

Manteiga

750 g

32,58

32,58

0,00

7,67

7h39m

7h39m

Total da Cesta

 

369,49

369,93

-0,12

-10,03

86h45m

86h52m

Pesquisa Nacional da Cesta Básica

Fonte: DIEESE

 

Na comparação mensal, entre setembro e outubro de 2017, nove dos treze produtos pesquisados registraram variações negativas do preço médio. Os destaques são para o arroz(-7,77%),o feijão (-2,49%), a carne (-1,47%), o leite(-1,36%), o açúcar (-1,25%), o óleo de soja (-1,22%) e a banana (-1,16%).Os demais produtos com retração de preços apresentaram variações inferiores à 1%.

Apenas a batata (21,24%), o tomate (2,79%) e o pão (0,53%) apresentaram aumento nos preços.O preço da manteiga manteve-se estável entre setembro e outubro.

Em doze meses, o preço médio da cesta básica macaense registrou queda de 10,03%.Entre os produtos que registraram aumento nos preços, o destaque vai para o café (13,81%) e para a manteiga (7,67%). Com relação aos itens com redução dos preços, destacaram-se o feijão (-34,94%), abatata (-28,44%), oarroz(-16,91%), o tomate (-16,89%),a banana (-16,02%)e o açúcar (-15,09%).

O custo da cesta básica de Macaé representou 87,75% do valor apurado no município do Rio de Janeiro (R$ 421,05) no mês de outubro.

Em outubro, o custo do conjunto de alimentos essenciais caiu em 11 das 21 capitais brasileiras pesquisadas pelo DIEESE. As maiores quedas foram registradas emGoiânia (-2,79%), Maceió (-2,52%) e Manaus (-1,77%).Entre as capitais que registraram aumento no preço médio da cesta básica, as maiores variações foram anotadas em Campo Grande (2,67%), Curitiba (3,08%) e Cuiabá (3,08%).

O trabalhador que reside em Macaé com rendimento equivalente a um salário mínimo necessitou cumprir uma jornada de 86 horas e 45 minutos para adquirir os itens alimentícios que compõem uma cesta básica individual. O valor gasto com essa cesta representou, em outubro, 42,86% do salário mínimo líquido, ou seja, após os descontos da Previdência Social.

A partir da cesta básica mais cara, que neste mês foi verificada na cidade de Porto Alegre (R$ 446,87), o DIEESE calcula o Salário Mínimo Necessário, ou seja, a quantia necessária para suprir as despesas de uma família composta de quatro membros (dois adultos e duas crianças) com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, conforme estabelece a Constituição Federal. O valor calculado para o mês de outubro foi de R$ 3.754,16, ou 4,01 vezes o mínimo de R$ 937,00.

 

O Sindipetro-Caxias informou no final na manhã de hoje, no perfil da entidade no Facebook, a ocorrência de um incêndio em uma área próxima à Reduc, por volta das 10h30, em razão de uma parada no U-1790, com descarte de líquido para o flare.

"O produto caiu no matagal, ocasionando um incêndio. Devido à falta de manutenção na refinaria, os trabalhadores convivem toda hora com acidentes e vítimas", afirma o sindicato.

O Sindipetro-Caxias também informa que não há vítimas, "mas a Segurança Industrial está tendo dificuldade de combater o incêndio por falta de hidrantes próximo ao local".

Somente em 2017, lembra o sindicato, houve 41 acidentes com 51 vítimas na Reduc.

 

[Foto: Sindipetro-Caxias]

A diretoria da FUP e de diversos sindicatos petroleiros, entre eles o Sindipetro-NF, ocuparam na manhã de hoje a sala de controle da Fábrica de Fertilizantes (Fafen) de Araucária, no Paraná, em protesto contra a venda deste ativo da Petrobrás. A ocupação começou um pouco antes das 6h e durou duas horas.

Os dirigentes sindicais mobilizaram os trabalhadores e dialogaram sobre as razões da ocupação. De acordo com o coordenador geral da FUP (Federação Única dos Petroleiros), José Maria Rangel, o protesto na Fafen é mais um sinal de que a Petrobrás não vai entregar os seus ativos sem enfrentar uma grande resistência da categoria petroleira.

"Esse é um momento em que nenhum de nós tem o direito de abaixar a cabeça. Porque é exatamente isso que os golpistas querem. Eles querem passar pra gente uma desilusão, de que não existe mais esperança para o País, e que portando temos que abaixar a cabeça e nos submeter a tudo o que eles querem", disse José Maria, aos trabalhadores, na sala de controle da Fafen.

De acordo com a FUP, a fábrica está sendo privatizada por meio de uma negociação de venda casada, que inclui também a Fábrica de Fertilizantes do Mato Grosso do Sul (UFN-III), uma planta que não entrou em operação, pois teve a obra paralisada em dezembro de 2014, com 80% do projeto concluído. 

"Devido aos impairments realizados pela atual gestão da Petrobrás, a unidade Paraná vale contabilmente zero reais (R$ 0,00). Através de uma Ação Civil Pública, a FUP está contestando na Justiça a entrega deste importante ativo, que tem capacidade de produzir anualmente cerca de 700 mil toneladas de ureia e 475 mil toneladas de amônia, além do valioso e estratégico Agente Redutor Líquido Automotivo (Arla 32)", informa a Federação.

Na fala à categoria na Fafen, José Maria também destacou o desmonte geral que está sendo empreendido na Petrobrás, mostrando o paralelo entre o desempenho da empresa até 2002 e após o primeiro governo do ex-presidente Lula — que recuperou um norte para a companhia, voltando a sua missão para o desenvolvimento nacional e a promoção da justiça social, reergueu a indústria naval, voltou a investir em pesquisa e descobriu o pré-sal.

"O jogo é muito pesado e nós estamos fazendo a boa resistência. Estar aqui significa que não vamos aceitar passivamente que o patrimônio público seja entregue", disse o coordenador.

O coordenador geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra, e o também diretor da entidade, Antônio Carlos Bahia, participaram do protesto na Fafen. Segundo Tezeu, o movimento sindical "vai brigar por cada uma" das Fafens, assim como por todos os ativos da Petrobrás, luta que também foi destacada por Bahia.

 

A ascensão conservadora no mundo e golpista no Brasil não poupa ninguém. Ela tem viés de classe, tem viés de gênero e tem também viés racista. Neste Mês da Consciência Negra é preciso chamar especialmente a atenção para este terceiro aspecto.

Se é notória a reação da classe dominante contra os direitos trabalhistas, obtendo êxito em exterminá-los em proporção jamais vista na história brasileira, e se também está clara a ligação desta elite patronal com valores tradicionais do patriarcado, não é menos evidente que esta mesma elite foi cultivada sob a influência de um legado cultural escravocrata e preconceituoso contra os negros.

O caso recente do jornalista Willian Waack não é isolado. Muitos da sua geração habituaram-se a cometer cotidianamente aquele tipo de crime e permanecerem impunes. Pior: frequentemente sequer eram percebidos como racistas, pois muitos deles conservavam a desfaçatez dos bons tratos, a elegância do bom convívio, não raras vezes orgulhando-se de “tratar a empregada negra como membro da família”.

Só que cresceram os movimentos negros, aumentaram as ações de formação que estimularam as reflexões sobre estas mazelas, e esta forma “cordial” de preconceito foi sendo explicitada. Há não muito tempo era comum o argumento de que o Brasil não era racista, era “apenas” desigual socialmente — raciocínio que embalou a muitos dos opositores da implantação da política afirmativa de cotas para negros nas universidades. Hoje não há mais espaço para isso, e foi isso que encorajou a denúncia contra Waack.

O respeito, a mudança de mentalidade, a busca da igualdade, a equalização dos direitos, a criminalização dos ataques, são imposições éticas e civilizatórias para todos os lutadores que constroem um mundo melhor. E o 20 de Novembro é um dos marcos essenciais dessa luta.

A disputa simbólica pela memória de Zumbi dos Palmares precisa ser permanentemente fortalecida (muitos estados e municípios ainda resistem em atribuir a condição de feriado ao dia). A luta contra o conservadorismo e o golpe também passa pela cultura, pela identidade e pela memória.

[Nascente 1018]

Pagina 2 de 729

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700