A diretoria colegiada do Sindipetro-NF não estará presente nas bases administrativas, terminais, portos e aeroportos nos dias 22, após às 13h e 23, todo o período. Nesses dias, a diretoria estará reunida em Campos para traçar os encaminhamentos para o próximo período da conjuntura no país e avaliar e deliberar as ações aos ataques recentes e a redução de direitos.

Imprensa SindipetroPR/SC - Antes que essa quarta-feira (21) pudesse terminar, por volta das 15h, a Fafen-PR foi surpreendida com um vazamento de dióxido de enxofre (SO²) na Unidade 21 (U-21). Houve um princípio de incêndio onde, durante o combate, perceberam o vazamento do gás que envolveu toda a unidade e rapidamente acionaram a evacuação da fábrica.

Os trabalhadores utilizaram máscara de gás para deixar o local e até o momento a situação está controlada, porém ainda não possível se aproximar do lugar do vazamento para resolver o problema.

O Sindiquímica-PR já está levantando mais informações sobre esse fato prejudicial não apenas para os trabalhadores da Fafen-PR, mas para toda a sociedade. Eles contam com o apoio da Repar, da brigada de incêndio do administrativo e da brigada de incêndio do grupo 4.

De acordo com o diretor do sindicato Gerson Luiz Castellano, esse vazamento é resultado do processo de sucateamento e desmonte da Petrobrás feito pela gestão de Pedro Parente.

“A nova política da petrolífera oferece altos riscos de vida para todos, causar o vazamento desse gás que é tóxico, capaz de contaminar toda a área e contribuir para chuvas ácidas”, destacou Castellano.

PERIGOS

O SO² pode ser bastante perigoso para a saúde pública, porque é um gás denso, incolor, não inflamável, altamente tóxico e corrosivo na presença de umidade. Ele age principalmente no sistema respiratório, exercendo uma ação corrosiva e causando grande irritação. Sua inalação causa irritação da garganta, tosse, dificuldades respiratórias, constrição da caixa torácica, inflamação aguda do sistema respiratório e edema pulmonar.

Sua presença no ar causa irritação nos olhos imediatamente e, em altas concentrações pode causar queimaduras também nos olhos. Por esses motivos, se não for possível escapar rapidamente do local, a vítima sofrerá forte irritação dos pulmões, edema pulmonar e até mesmo a morte.

Na indústria, o dióxido de enxofre serve sobretudo para a produção de ácido sulfúrico – que possui numerosas aplicações como produto químico –, por isso, ele é um dos principais causadores da chuva ácida, prejudicial à saúde e ao meio ambiente.

Segundo o anexo 11 da Norma Regulamentadora 15 (NR 15), a concentração máxima de exposição no ambiente de trabalho (48h semanais) é de 4ppm. E, nessas condições, o ambiente é considerado com grau de insalubridade máximo.

Fonte: Sindiquímica-PR

FUP - A Petrobras voltou a reajustar nesta terça (20) o preço médio da gasolina e do diesel nas refinarias.

Ontem (19), matéria do jornal Folha de São Paulo, intitulada “Refinarias respondem por 1/6 do aumento da gasolina, diz Petrobras”,  tentou afastar da gestão da empresa a responsabilidade pelo peso dos reajustes no bolso do povo.  A matéria repercute a nota que a Petrobrás divulgou, comunicando o aumento dos preços nas refinarias.

Quem lê a matéria fica com a impressão de que a Petrobras está certa e que não são seus gestores, e principalmente quem os escolheu, o golpista Mishell Temer, os algozes dos altos preços dos combustíveis.

O que a Petrobrás esconde na divulgação é que faz uma manipulação nos dados, escolhendo o período analisado para reforçar ideias positivas sobre a gestão dos reajustes dos preços na refinaria. Caso o período analisado tivesse sido fechado no fim de 2017 e não em fevereiro a Petrobrás responderia pelo dobro do aumento que divulgou.

Na mesma divulgação, a Petrobras também não diz que o seu presidente está tentando jogar toda a responsabilidade sobre o elevado custo dos combustíveis no Brasil para os impostos que o governo Temer cobra dos consumidores, como se isso não fosse uma decisão do mesmo governo golpista que manda na política de preços da empresa. Ou seja, o povo fica nas mãos da política de reajustes de Parente e também da política de impostos de Temer, um jogando a culpa no outro, mas o projeto golpista é um só.

Por fim, não menos importante, e também a Petrobras não diz em sua nota, é que enquanto o povo enfrenta estes reajustes, a empresa está cedendo espaço no refino e perdendo receitas nesta área. Sua política de preços alinhados com os preços internacionais que o governo golpista implantou somada e a redução de carga nas refinarias estão causando o crescimento nas vendas das concorrentes e sobra de estoques nas refinarias da Petrobras, isso forma um ciclo vicioso que leva recuar ainda mais no refino, como por exemplo a decisão de parar a Rlam na Bahia duramente criticada pela FUP.

Tudo isso foi pensado para tornar a Petrobrás uma empresa menor e justificar a sua privatização, que sempre foi um dos objetivos centrais do golpe.

FUP - Em seu primeiro comunicado aos trabalhadores, o novo diretor de Assuntos Corporativos da Petrobrás, Eberaldo de Almeida Neto, já deixou claro a que veio. Ao defender efusivamente a “recompensa do mérito” como “atribuição central” da política de Recursos Humanos da empresa, ele ataca diretamente o espírito coletivo e solidário da categoria petroleira, pregando o individualismo e sinalizando com a retomada da velha prática de cooptação das gestões neoliberais dos anos 90.

Em sua carta aos trabalhadores, Eberaldo destaca sua intenção de trazer de volta o bônus por desempenho, implementado na Petrobrás no governo FHC para beneficiar os amigos do rei e tentar dividir a categoria. Batizada pela categoria de “subornus”, essa ferramenta de gestão nada tinha a ver com mérito, como defende o novo diretor corporativo.

A meritocracia já está no cerne da concessão de nível a cada 12 meses, como garante o plano de cargos e salários, que ele também sinaliza mexer, colocando novamente sob ameaça a mobilidade por antiguidade, uma das conquistas da categoria que os gestores tentaram acabar na campanha reivindicatória.

Em momento algum, Eberaldo cogita discutir sua carta de intenções com as representações dos trabalhadores, um inadmissível desrespeito às entidades sindicais. E, como se não bastasse, ainda teve o desplante de afirmar que uma das mais importantes missões da diretoria da Petrobrás é zelar pela vida. “Qualquer atividade econômica perde sua razão de ser se a coloca sob ameaça”, destacou em sua carta.

Se os gestores realmente pensassem desta forma, não descumpririam o Acordo Coletivo, nem atropelariam as normas regulamentares e muito menos reduziriam os efetivos operacionais, à revelia de todos os preceitos de segurança.

A diretoria do Sindipetro NF parabeniza os trabalhadores e trabalhadoras que estiveram nesse movimento paredista que se encerra às 23h de hoje, 20. 

"Os trabalhadores estão entendendo os riscos ao qual estamos submetidos com esse golpe e com certeza estão prontos para continuar na luta contra esses ataques, sejam eles contra o Sistema Petrobrás ou contra nossos direitos." afirma o Coordenador Geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra.

A retomada da produção por parte dos grevistas devem ocorrer normalmente, onde os grevistas recebem o turno dos prepostos da Petrobrás e da Transpetro, voltando a manter as operações e voltar as condições normais de produção como mandam as normas e padrões da empresa.

Todos os casos em que as plataformas foram recebidas em com problemas de segurança, saúde e habitabilidade, os casos devem ser registradas em ata com assinaturas  e enviado para o Sindipetro-NF no e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

"É inaceitável trabalhadores que nem sequer possuem seus postos de trabalho off shore, venham nesses momentos operar as plataformas como aconteceu em algumas delas. Os trabalhadores devem fazer esses registros com nome, matricula, local e atividade que trabalha, assim como o posto de trabalho que assumiu e deixou em condição insegura." esclarece Tezeu.

 

 

Está anulado todo o processo coletivo do Reflexo das Horas Extras no Repouso Remunerado que já havia transitado e sido julgado. Por uma decisão vergonhosa e unânime a Subseção II de Dissídios Individuais 2 (SDI-2), do Tribunal Superior do Trabalho deu ganho de causa à ação rescisória da Petrobras nesta terça, 20 de fevereiro.

O advogado do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense, César Brito, afirmou que agora entrará com um recurso no Supremo Tribunal Federal, para impedir essa injustiça com os trabalhadores da Petrobras. Agora é necessário aguardar a publicação do acórdão do julgamento.

Segundo o Diretor do NF, Alessandro Trindade, que acompanhou o julgamento junto com representantes da categoria e assessoria jurídica, esse foi mais um duro golpe sofrido pela categoria petroleira nesse governo golpista.

Em Macaé, petroleiros em greve por 48h realizaram um apitaço em frente a sede do TRT, para chamar atenção ao judiciário que a categoria está atenta aos seus direitos.

A diretoria do Sindipetro-NF realiza nesta terça, 20, um face to face para avaliar a greve de 48 horas com a categoria petroleira e o resultado do julgamento do RSR. A greve está mantida até às 23h de hoje.

O presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira (MDB-CE), determinou nesta segunda-feira (19) a suspensão da tramitação de todas as propostas de emenda à Constituição (PEC) enquanto vigorar o decreto de intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, previsto até dezembro. A suspensão atinge mais de 190 propostas em andamento na Casa, entre elas a reforma da Previdência, que só pode ser feita por meio de uma PEC. 

“Nenhuma PEC tramitará, não precisa a oposição entrar com pedido de liminar, absolutamente nada, porque nenhuma PEC tramitará. O mandamento constitucional no Artigo 60, item 1º, determina que, em estado de sítio, em estado de defesa ou em intervenção, nenhuma PEC poderá tramitar, portanto não haverá mudança na Constituição”, ressaltou Eunício.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, a decisão do presidente do Congresso é resultado da luta, da garra de trabalhadores e trabalhadoras, que fizeram o enfrentamento, disputaram a narrativa deixando claro que a proposta de Temer não é reforma é desmonte da Previdência pública. 

"Temos de comemorar, mas é uma comemoração momentânea. Quem está em guerra como nós estamos, tem de estar o tempo todo mobilizado pra luta", disse Vagner, ressaltando a importância das greves, atos, caminhadas e manifestações realizados em todo o país nesta segunda (19) e em todas as jornadas convocadas pela CUT e demais centrais para lutar contra essa reforma, como a maior greve geral da história do país, realizada em 28 de abril do ano passado .

Segundo ele, a suspensão da tramitação de todas as propostas de emenda à Constituição (PEC), entre elas a da Previdência, é uma derrota para os golpistas e uma vitória da militância, da classe trabalhadora que teve garra e foi persistente no enfrentamento com atos, manifestações, greves, ações nas redes sociais e fez uma pressão nos parlamentares. "Tiramos da agenda a joia da coroa, que é a reforma que os financiadores do golpe exigiam".     

Sobre a afirmação feita pelo ilegitimo e golpista Michel Temer (MDB-SP) de que se conseguisse o numero de votos necessários para aprovar a PEC (308) suspenderia a internvenção só para aprovar a reforma da Previdência, Eunício descartou essa possibilidade. Segundo ele, o Congresso não vai sustar o decreto para que a Câmara e o Senado votem a reforma da Previdência. A decisão de Eunício joga por terra as pretensões do Palácio do Planalto de votar a reforma ainda em fevereiro.

Após participar da reunião dos Conselhos de Defesa Nacional e da República, no Palácio da Alvorada, o presidente do Congresso declarou que obedecerá a legislação que impede os parlamentares de aprovarem emendas constitucionais, inclusive a da reforma da Previdência.

O presidente do Senado disse que  Temer, por ser um constitucionalista, concordou com a suspensão de todas as PECs. Segundo ele, Temer não poderia se opor ao que determina a Constituição. 

“Não há previsão constitucional de suspensão de decreto. Ele pode a qualquer momento suspender o decreto, mas como? Extinguindo a intervenção no Rio de Janeiro. Se for pra fazer uma intervenção, chamar todos nós, fazer a intervenção e daqui a cinco dias dizer que foi um equívoco porque precisa votar matéria A ou matéria B, não teria sentido ter feito a intervenção”, argumentou Eunício.

O presidente do Senado sinalizou ainda que, politicamente, não seria possível revogar o decreto e assinar outro em seguida a fim de beneficiar a aprovação de qualquer matéria no Congresso.

“Nem o presidente Temer nem ninguém fará com que o presidente do Senado e do Congresso Nacional mude a posição por conveniência. (…) Se ele revogasse [o decreto] , extingue-se a intervenção no estado do Rio de Janeiro automaticamente. Aí para fazer uma nova intervenção eu não sei se teria aí a condição política de se fazer, teria que fazer todo o trâmite novamente. Então, o que a sociedade ia dizer, o que iriamos dizer no Conselho? Que não havia a necessidade da intervenção. E ela é necessária”, completou.

Eunício afirmou que vai pautar o decreto de intervenção na segurança do Rio no dia seguinte ao da aprovação na Câmara. A previsão é que os deputados aprovem o texto entre hoje e amanhã. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que não aceitará que o texto relatado pela deputada Laura Carneiro (MDB-RJ) sofra alterações por meio de emendas.

Via CUT

 

 

A categoria petroleira em greve realiza nesse momento um apitaço em frente a sede do TRT em Macaé para chamar atenção ao judiciário que a categoria está atenta aos seus direitos e ao julgamento da ação rescisória da Petrobrás sobre o Repouso Semanal Remunerado dos petroleiros e petroleiras. 

Começou por volta das 9h de hoje, a sessão no SDI-2 no Tribunal Superior do Trabalho que julgará uma ação rescisória da Petrobras contra uma ação já transitada em julgada sobre o Repouso Semanal Remunerado dos Petroleiros. Diretor do NF, Alessandro Trindade, representantes da categoria e assessoria jurídica, acompanham o julgamento em Brasília.

Imprensa do Unificado - No Dia Nacional de Lutas contra a Reforma da Previdência e em defesa da democracia e dos direitos trabalhistas, petroleiros da base do Unificado deflagraram paralisações de 16 horas na Refinaria de Paulínia e na Refinaria de Capuava, em Mauá. Nas duas unidades, as mobilizações tiveram adesão de 100% dos turnos e 90% do administrativo.

As paralisações começaram na manhã desta segunda-feira (19), com o corte de rendição do turno – também não houve a troca do turno da tarde. Seguindo orientação do Sindicato, muitos petroleiros ficaram em casa e a maioria dos que foram para o local de trabalho aderiu ao movimento, permanecendo no piquete na porta da empresa. 

O protesto pelo fim da aposentadoria foi reforçado pelos trabalhadores dos terminais da Transpetro de Guarulhos e São Caetano do Sul, que iniciaram o expediente cerca de duas horas mais tarde. Na Usina Termelétrica Luiz Carlos Prestes (UTE LCP), em Três Lagoas (MS), foi suspensa a emissão de PT (Permissão de Trabalho) ao longo do dia. 
No final do ano, a base do Unificado aprovou em assembleias, com quase a totalidade dos votos, a pauta contra a Reforma da Previdência, de “seguir as orientações das centrais sindicais”.

Barrar votação

A Jornada Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência foi convo­cada pela CUT e demais centrais sindicais, com o objetivo de barrar a votação da proposta do presidente ilegítimo Michel Temer de acabar com a aposentadoria de milhões de brasileiros.

A mobilização foi marcada estrategicamente para hoje (19), porque era a data prevista para a proposta da reforma ser votada na Câmara dos Deputados. A votação, entretanto, teve que ser adiada devido ao decreto presidencial de intervenção militar no Rio de Janeiro. No período de intervenção nenhuma mudança pode ser feita na Constituição Federal.

Via Sindipetro Unificado de São Paulo

A diretoria do Sindipetro-NF realiza nesta terça, 20, um face to face para avaliar a greve de 48 horas com a categoria petroleira. A greve teve início que teve início na noite de domingo, 18, às 23h no Terminal de Cabiúnas em Macaé, com corte de rendição.

A greve foi contra a Reforma da Previdência, o corte de direitos dos trabalhadores, o desmonte da Petrobrás e a tentativa de anulação do pagamento das horas extras sobre o Repouso Remunerado, que tem julgamento de Ação Rescisória hoje, no Tribunal Superior do Trabalho.

Num cenário de ataques diários e incisivos para toda a classe trabalhadora, saber que o Governo Federal - aquele que reunir um número de deputados e deputadas suficientes para dar um Golpe no país - não conseguiu reunir os votos para aprovar sua principal bandeira, a reforma da previdência, é um alento no cenário avassalador de perda de direitos que vivemos.

 

A Central Única dos Trabalhadores já apresentou um balanço da vitória "momentânea", como ressaltou Vagner Freitas, presidente da CUT:  "Tiramos da agenda a joia da coroa, que é a reforma que os financiadores do golpe exigiam", argumentou Freitas.

 

Sabendo, assim, da importância da luta e dos seus resultados, os petroleiros e petroleiras do Norte Fluminense se voltam para combater a perda de direitos locais, representadas, atualmente, pela ação rescisória absurda que o TST julga nessa terça, 20, em Brasília.

 

"Companheiros, mais uma vez estamos diante de um desafio que necessita da movimentação de todos nós. O dia 19 demonstrou que somos capazes de resistir a um ataque golpista  de abrangência geral, a previdência. Agora, na sequência do movimento, vamos lutar por um direito de abrangência regional, a execução da RSR.

", ressaltou o coordenador Geral do SindipetroNF, Tezeu Bezerra. "Nossa forte mobilização, mais uma vez, será capital para tanto", completou Bezerra.

 

Hoje, 19/02/2018, o coordenador do departamento jurídico do SINDIPETRO-NF, Alessandro Trindade, a assessoria jurídica e os trabalhadores da base estiverem presentes no TST em Brasília, conversando com os Ministros responsáveis pelo julgamento da Ação Rescisória proposta pela Petrobrás para destruir o repouso remunerado da categoria.

 

O julgamento será amanhã, 20/02/2018, e em um julgamento totalmente politizado, a  força da categoria na defesa de seus direitos, juntamente com o alto grau de mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras serão fundamentais para demonstrar a importância desse direito na saúde e segurança dos petroleiros e petroleiras.

Imprensa da FUP - 

 

Por todo o país, trabalhadores do campo e das cidades, de diversas categorias, e movimentos sociais e a população realizam uma série de atos e protestos nesta segunda-feira (19) contra as mudanças na Previdência que o governo ainda tenta aprovar. São greves, paralisações, manifestações e trancamento de rodovias, realizados por movimentos sociais, centrais sindicais e pela população. 

Apesar de reduzidas as chances de aprovação, por conta da Intervenção Federal no Rio de Janeiro – que paralisa a tramitação de alterações constitucionais – os trabalhadores exigem a retirada definitiva da proposta que altera as regras das aposentadorias. 

No Rio de Janeiro e em São Paulo, os bancários mantiveram agências fechadas em vários bairros até o meio-dia. O sindicatos orientaram a categoria a participar das manifestações previstas para o final da tarde na Avenida Paulista e na Cinelândia. No Rio, o fechamento concentrou-se na região central e atingiu afetou também prédio administrativos. Houve fechamento de agências também em vários estados.

“O governo ainda não tem os votos necessários. Por isso, inclusive, está usando a estratégia de desvio de atenção do tema com a intervenção militar. Temos condições de pressionar os congressistas em ano de eleição. Nossa categoria tem consciência disso e está mobilizada. No que depender dos bancários, a reforma da Previdência está enterrada”, afirma a presidenta do sindicato local, Adriana Nalesso. 

Bancário do Rio de Janeiro
Adriana, presidenta do sindicato dos bancários do Rio: trabalhadores têm condições de barrar a Reforma

A presidenta do sindicato da categoria em São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, alertou ainda que a "reforma" trabalhista posta em vigor no final do passado, somada à tentativa de mudar as regras previdenciárias praticamente inviabilizam o direito dos trabalhadores à aposentadoria. Ouça:

Em Pernambuco, a Refinaria Abreu e Lima, em Suape, amanheceu com as suas atividades paralisadas. Na capital, Recife, bancários e trabalhadores da Receita Federal também pararam as atividades nas agências. Cidades do interior, como Caruaru e Petrolina, também mantiveram postos da Receita fechados.

No interior do Piauí, trabalhadores rurais e das cidades bloquearam a BR 316, próximo ao acesso ao município de Picos. Eles devem seguir, em manifestação, até a sede do INSS, na cidade. Na Bahia, a BR 093, conhecida como Via do Cobre, também registrou bloqueio ainda durante a madrugada.

Em Brasília, auditores fiscais da Receita, que negam a existência de déficit nas contas da Previdência, receberam os parlamentares com protestos no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek. 

Em Belo Horizonte, trabalhadores da saúde paralisaram as atividade e realizaram assembleia realizada na Cidade Administrativa, sede do governo mineiro. 

No sul do país, professores estaduais e manifestantes dialogam com a população de Curitiba, com panfletagem no terminal Guadalupe, no centro da capital, para alertar a população sobre os impactos das mudanças nas aposentadorias. 

Em Porto Alegre, integrantes das centrais e movimentos sociais fizeram  caminhada até o Aeroporto Salgado Filho, e realizam panfletagem no saguão do terminal para alertar a população sobre os impactos da reforma. 

Petroleiros da da Refinaria Getúlio Vargas (Repar), em Araucária (PR), junto com os petroquímicos e terceirizados, paralisaram as atividades por uma hora e meia nesta manhã contra a reforma da Previdência. 

Em Chapecó (SC), trabalhadores também protestam em uma das agências do INSS. Com faixas, eles denunciam os bilhões devidos por grandes empresas aos cofres da Previdência. 

ACOMPANHE MINUTO A MINUTO AS MANIFESTAÇÕES PELO PAÍS AFORA

Confira as imagens:

Transportadores BA
Transportadores que levam os petroleiros na Bahia protestaram na madrugada
Bancários PE
Agência bancária fechada no centro de Recife
INSS
Preparação de ato em frente a uma agência do INSS em Recife
Limpeza Florianópolis
Paralisados, trabalhadores da limpeza urbana realizam assembleia em Florianópolis
bancários pa
Bancários fecharam matrizes do Banpará e do Banco da Amazônia em Belém
fortaleza
Samba da Unidos do Tuiuti anima manifestantes em Fortaleza
Havan
Protesto em frente à sede da Havan em Santa Catarina denúncia dívida à Previdência
Esquina Democrática
Manifestantes na Esquina Democrática, em Porto Alegre
Via Rede Brasil

 

 
Pagina 2 de 753

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700